segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

A Boneca de Kokoschka de Afonso Cruz

A Boneca de Kokoschka Afonso Cruz
Editora: Quetzal

Sinopse: O pintor Oskar Kokoschka estava tão apaixonado por Alma Mahler que, quando a relação acabou, mandou construir uma boneca, de tamanho real, com todos os pormenores da sua amada. A carta à fabricante de marionetas, que era acompanhada de vários desenhos com indicações para o seu fabrico, incluía quais as rugas da pele que ele achava imprescindíveis. Kokoschka, longe de esconder a sua paixão, passeava a boneca pela cidade e levava-a à ópera. Mas um dia, farto dela, partiu-lhe uma garrafa de vinho tinto na cabeça e a boneca foi para o lixo. Foi a partir daí que ela se tornou fundamental para o destino de várias pessoas que sobreviveram às quatro toneladas de bombas que caíram em Dresden durante a Segunda Guerra Mundial.

Opinião: Existem sempre aqueles livros que depois de lidos, de tão grandiosas que são as obras, ficamos sem saber bem como começar a falar deles com receio de não fazer jus à experiência que foi a sua leitura. Tal aconteceu comigo após ter terminado A Boneca de Kokoscha. Sendo já uma forte admiradora do artista que Afonso Cruz é, para além de escritor é também músico, realizador, ilustrador, entre outros, fiquei completamente rendida à sua narrativa.

A Boneca de Kokoschka centra-se na história do pintor Oskar Kokoschka que, quando terminou a relação com Alma Mahler, mandou construir uma boneca, de tamanho real, com todos os pormenores da sua amada. Apesar de só termos noção do impacto desta acção quase no fim do livro, é inevitável não ficarmos deslumbrados com a escrita enigmática e labiríntica do autor.

«O senhor terá, porventura, alguma dificuldade em digerir algumas destas coincidências, mas a vida é um emaranhado de complexos fios». Esta sentença acaba por definir bastante bem o que vamos sentindo ao longo da leitura. A forma magistral como o autor constrói toda a história, sem nunca aborrecer o leitor e obrigando a sua mente a trabalhar, apraz os mais exigentes e sem dúvida fascinará os mais cépticos.

«Estou a escrever um livro novo.
É sobre o quê – perguntou Isaac Dresner.
Sei lá. Sobre o amor ou sobre o ódio, a condição humana, essas coisas. Do que é que tratam os livros?»
Pois eu digo que é disso e muito mais. É uma visão de vários ângulos de todas as motivações humanas. E é no seio da realidade misturada com a ficção que Afonso Cruz nos mostra isso mesmo.

Após o reconhecimento da qualidade da sua obra de contista, com a atribuição do prémio Camilo Castelo Branco à Enciclopédia da Estória Universal, A Boneca de Kokoschka ganhou o prémio da União Europeia para a Literatura sendo o primeiro passo na afirmação internacional do nosso escritor português.

Eliminem as vossas reservas e rendam-se à obra de arte que é A Boneca de Kokoschka. Para além de ser o resultado de uma obra escrita fenomenal do autor, conta também com fotografias e ilustrações do mesmo. Muito, muito bom.

sábado, 8 de dezembro de 2012

Despacho normativo n.º 24-A/2012. D.R. n.º 236, 2.º Suplemento, Série II de 2012-12-06, Regulamenta a avaliação de alunos do ensino básico.

 
 
Ainda durante o dia de ontem, foi publicado o Despacho normativo n.º 24-A/2012, que regulamenta a avaliação e a certificação dos conhecimentos adquiridos e das capacidades desenvolvidas pelos alunos do ensino básico, nos estabelecimentos de ensino público, particular e cooperativo, bem como os seus efeitos, e as medidas de promoção do sucesso escolar que podem ser adotadas no acompanhamento e desenvolvimento dos alunos, sem prejuízo de outras que o agrupamento de escolas ou escola não agrupada defina no âmbito da sua autonomia.

O diploma faz algumas referências aos com necessidades educativas especiais e aos docentes de educação especial.Do processo individual do aluno devem constar todos os elementos que assinalem o seu percurso e a sua evolução ao longo deste, designadamente:

a) Elementos fundamentais de identificação do aluno;
b) Fichas de registo de avaliação;
c) Relatórios médicos e ou de avaliação psicológica, quando existam;
d) Programas de acompanhamento pedagógico, quando existam;
e) Programas educativos individuais e os relatórios circunstanciados, no caso de o aluno ser abrangido pelo Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro, incluindo, quando aplicável, o currículo específico individual definido no artigo 21.º daquele decreto-lei;
f) Outros elementos considerados relevantes para a evolução e formação do aluno.
Intervêm no processo de avaliação, designadamente:

a) O professor;
b) O aluno;
c) O conselho de docentes, no 1.º ciclo, quando exista, ou o conselho de turma, nos 2.º e 3.º ciclos;
d) Os órgãos de gestão da escola;
e) O encarregado de educação;
f) O docente de educação especial e outros profissionais que acompanhem o desenvolvimento do processo educativo do aluno;
g) A administração educativa.

A escola deve assegurar as condições de participação dos alunos, dos encarregados de educação, dos profissionais com competência em matéria de apoios especializados e dos demais intervenientes, nos termos definidos no seu regulamento interno.Na avaliação interna, a informação resultante da avaliação sumativa dos alunos do ensino básico com currículo específico individual, abrangidos pelo artigo 21.º do Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro, expressa-se numa menção qualitativa de Muito bom, Bom, Suficiente e Insuficiente, acompanhada de uma apreciação descritiva sobre a evolução do aluno (cf n.º 10 do art. 8.º).

Na avaliação externa, estão dispensados da realização de provas finais dos 1.º, 2.º e 3.º ciclos os alunos que estejam abrangidos pelo artigo 21.º do Decreto -Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro (currículo específico individual) (cf. alíneas b) do n.º 13 e e) do n.º 14 do art. 10.º).
Os alunos com necessidades educativas especiais de caráter permanente, abrangidos pelo disposto no n.º 1 do artigo 20.º do Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro, prestam as provas finais de ciclo previstas para os restantes examinandos, podendo, no entanto, usufruir de condições especiais de avaliação ao abrigo da legislação em vigor (cf. art. 11.º).
A conclusão do ensino básico é certificada pelos órgãos de direção da escola, através da emissão de:

a) Um diploma que ateste a conclusão do ensino básico;
b) Um certificado que ateste o nível de qualificação, discrimine as disciplinas ou módulos concluídos e as respetivas classificações finais, bem como as classificações das provas finais de ciclo obtidas nas disciplinas em que foram realizadas. Este certificado deve ainda conter um anexo todas as atividades extracurriculares desenvolvidas pelo aluno, designadamente as realizadas no âmbito de ações de voluntariado.
Mediante a apresentação de requerimento, é passado, pelo diretor da escola, um certificado para efeitos de admissão no mercado de trabalho, ao aluno que atingir a idade limite da escolaridade obrigatória, que tenha usufruído de currículo específico individual e de um plano individual de transição, abrangido pelo artigo 14.º do Decreto-Lei n.º 3/2008, de 7 de janeiro (cf. n.º 3 do art. 19.º).
Um aluno que revele capacidade de aprendizagem excecional e um adequado grau de maturidade, a par do desenvolvimento das capacidades previstas para o ciclo que frequenta, poderá progredir mais rapidamente no ensino básico, beneficiando de uma das seguintes hipóteses ou de ambas:
a) Concluir o 1.º ciclo com 9 anos de idade, completados até 31 de dezembro do ano respetivo, podendo completar o 1.º ciclo em três anos;
b) Transitar de ano de escolaridade antes do final do ano letivo, uma única vez, ao longo dos 2.º e 3.º ciclos.
São revogados o Despacho Normativo n.º 1/2005, de 5 de janeiro, na sua redação atual, e o Despacho Normativo n.º 50/2005, de 9 de novembro.

Levantam-se algumas questões pragmáticas que, por qualquer motivo, o legislador não contempla e sobre as quais já escrevi anteriormente (Estatuto do docente de educação especial no conselho de turma; Regime de organização e funcionamento dos cursos científico-humanísticos e os professores de educação especial).

A propósito da composição do conselho de docentes, refere que será constituído, para efeitos de avaliação dos alunos, por todos os professores titulares de turma do 1.º ciclo de cada estabelecimento constituinte do agrupamento. Podem ainda intervir, sem direito a voto, os serviços com competência em matéria de apoio educativo e serviços ou entidades cuja contribuição o conselho pedagógico considere conveniente. A classificação final a atribuir em cada área disciplinar é da competência do professor titular de turma, ouvido o conselho de docentes.

Numa primeira análise, excluem-se do processo avaliativo efetivo, os docentes de educação especial, por não serem considerados elementos de direito do conselho de docentes.

Não considero que os docentes de educação especial se enquadrem nos designados apoios educativos. Por outro lado, os alunos com currículo específico individual desenvolvem (ou podem desenvolver) áreas curriculares que não fazem parte do currículo comum, sendo estas da responsabilidade do docente de educação,e às quais são avaliados. Sendo da responsabilidade do docente de educação especial, também lhe compete proceder à respetiva avaliação. Neste caso, e partindo do pressuposto que não integra "efetivamente" o conselho de docentes, quem propõe a avaliação? Será o docente titular de turma o porta-voz do professor de educação especial?

Relativamente aos 2.º e 3.º ciclos do ensino básico, o normativo refere que, para efeitos de avaliação dos alunos, o conselho de turma é constituído por todos os professores da turma, sendo seu presidente o diretor de turma. Considero que, neste caso, o docente de educação especial integra por direito o conselho de turma porque, pelos motivos referidos acima, há situações em que os alunos, sobretudo os que beneficiam de currículo específico individual, desenvolvem áreas curriculares que não fazem parte do currículo comum fora do contexto de sala de aula.

Do mesmo modo, o docente de Educação Moral e Religiosa Católicas é considerado professor da turma, embora nem todos os alunos se encontrem matriculados e frequentem a disciplina.

Do articulado deste normativo, transparecem alguns resquícios do antigo despacho conjunto n.º 105/97, no qual os docentes de apoio educativo, como eram designados na altura, eram considerados um pouco à margem destes processos vinculativos. O paradigma alterou-se e, presentemente, os docentes de educação especial são de facto professores com responsabilidades diretas no processo educativo dos alunos, designadamente ao nível avaliativo.

In: Incluso

sábado, 3 de novembro de 2012

A Inclusão está a passar por aqui... 3.º Encontro Práticas para a Inclusão




Realizou-se no passado dia 13 de outubro o Encontro: “Práticas para a Inclusão” promovido pela Câmara Municipal de Sintra que decorreu na Escola Secundária Padre Alberto Neto em Queluz.

Após a sessão de abertura o primeiro painel intitulado “Criança, Família, Escola” foi da responsabilidade de Nuno Lobo Antunes. Este apresentou o novo centro clinico PIN – Progresso Infantil, abordou o papel da sociedade na educação, o individuo como ser exclusivo na sua individualidade, bem como apresentou algumas problemáticas mais frequentes no desenvolvimento da criança, referiu ainda a importância do diagnóstico e o papel da sociedade bem como a importância da autoridade parental.

O painel com o título “Entrelaçar” foi dedicado à apresentação das práticas de dois agrupamentos de Escolas (Ferreira de Castro e D. Maria II), ambos centraram a apresentação no funcionamento das Unidades existentes e as diferentes respostas às especificidades dos alunos.

O Painel III, “Capacitação das Famílias” esteve a cargo de Luisa Beltrão e Júlia Serpa Pimentel que apresentaram o funcionamento do Movimento Pais em Rede e proporcionaram ainda a dois encarregados de educação e a outros que assistiam na plateia, a partilha resultante do seu envolvimento nesta associação e em particular na participação das oficinas para pais.

O último painel deste encontro realizou-se após o almoço, onde Dr.ª. Teresa Leite abordou “ A musicoterapia no sistema educativo”, a importância da sua utilização e das vivências a ela associadas na relação terapêutica, as áreas de aplicação, métodos e técnicas, as diferenças entre educação musical adaptada e música na educação especial. Terminou ainda referindo o bom princípio que é a Inclusão salientando a falta de meios para que este conceito se torne mais operacional na escola.
As oficinas decorreram após este painel, diversificando-se nas suas temáticas.

Não posso deixar de agradecer o convite feito pela divisão de educação da Câmara Municipal de Sintra à Pin- ANDEE. É neste âmbito que surge este resumo do encontro pois coube-me a mim o comentário final sobre o mesmo.

Não deixa de ser curioso este Encontro ter começado com o PIN – (nome escolhido pela nova equipa do Progresso Infantil) e terminar com a PIN – Pró Inclusão – Associação Nacional dos Docentes de Educação Especial. Tal como o PIN, referido pelo Dr. Nuno Lobo Antunes também a Pin da Pró Inclusão-ANDEE se prende ao peito, um objeto frágil, simbólico, porém, já com mais idade do que o atual PIN.

A Pin da Pró Inclusão foi criada em 2008, após um percurso feito no FEEI (Fórum de Estudos de Educação Inclusiva). Este grupo de trabalho resolveu criar uma associação com o objetivo de por um lado apoiar a profissionalidade dos docentes de educação especial nas práticas, na investigação e politicas e paralelemente promover educação de qualidade para alunos com necessidades educativas especiais no âmbito dos valores da Inclusão.

Foram ainda referidos os eventos e as publicações da nossa associação deixando obviamente o convite para que nela participem de forma a tornar-se cada vez mais um espaço de reflexão e partilha.

Não pude deixar de aludir a minha presença como dois em um, tal como se de um shampoo se tratasse… Por um lado represento a Pin-ANDEE (enquanto elemento da direção) e por outro represento-me a mim própria, enquanto docente de educação especial, pois obviamente uma não vive sem a outra.

A alusão ao shampoo de modo nenhum foi arbitrária. Aquele lava as cabeças e a minha função no comentário final foi de agitar as cabeças dos presentes ou pelo menos a minha. Porque de facto todos os painéis do encontro agitaram cada um de nós com momentos bem merecedores de que isso acontecesse.

A tarefa de um comentário final nunca é tarefa fácil, ainda mais quando se está a absorver tudo o que foi abordado. A ideia não era a de um resumo, portanto optei, de modo sintético, por dar apenas uma piscadela de olho em cada um dos painéis aludindo ao que de mais pertinente salientei como ponto de reflexão:

Impossível ficar-se indiferente à comunicação sobre a tríade: Criança/Escola/Família com palavras conhecedoras, porém recheadas de algum humor discutível com que nos presenteou o Dr. Nuno Lobo Antunes.

A palavra entrelaçar, muito bem escolhida, para partilhar as Práticas das escolas Ferreira de Castro e D. Maria II, como promotoras de inclusão efetiva.

A capacitação das famílias na importância de lhes dar voz, porque são elas de facto quem melhor conhece os seus filhos e só elas mesmo, sem pudermos sequer imaginar, vivem na pele a experiência. 

A importância da música no desenvolvimento do individuo. As oficinas ricas na sua diversidade e partilha. Não esquecendo a visita à exposição Imagina Lá onde foi possível ver os trabalhos realizados e o escolhido para o cartaz de divulgação do evento.

Após um riquíssimo leque de painéis a que tivemos acesso, recordei a citação de Walter Eigner, referida em 1995 na sua obra: “A educação inclusiva é uma questão de bom senso”, em que o autor expressava que não deveria ser necessário lembrar a Declaração de Salamanca para reconhecer que a Educação Inclusiva é ela, fundamentalmente um direito elementar numa escola de qualidade com reflexo numa sociedade mais humanitária.

Passados alguns anos, daquela citação (mais precisamente dezassete anos – uma citação quase, quase com idade adulta que refere a declaração Salamanca, esta sim de idade adulta), o hiato temporário que nos separa e a maturidade destes conceitos, por incrível que pareça, ainda não fizeram eco em alguns céticos face à inclusão. Existem mesmo alguns indivíduos (vindos não se sabe de que planeta) que consideram não só o termo, em si utópico, como duvidam do sentido do seu significado.

O que é pena, pois a inclusão nada tem de extraordinário. Luisa Beltrão enfatizou neste encontro a importância da escola: “quanto mais não fosse pelo benefício da socialização…”

É tão simplesmente aceitar que todos têm direitos, pois é de direitos humanos que se fala em primeira instância. Muitos professores, infelizmente, é verdade, e outras classes profissionais ainda desconhecem o termo e ao que ele se refere na prática.

Talvez a solução passe pela formação dos profissionais e essencialmente motivação da sociedade para a aceitar o outro incondicionalmente. Penso que neste encontro foi visível essa motivação, no modo de compreender e intervir na diferença, refletindo essencialmente o que é em si mesmo a diferença, pressupondo esta uma conceção homogénea do ser humano, bem longe do que é a realidade.

Diferença é o que distingue a exclusividade do individuo, é sinónimo de criatividade. Na sociedade atual conturbada é necessário mesmo alguma dose de criatividade para que nos aproximemos uns dos outros, nos tornemos mais autênticos, necessitando mesmo de ser criativos face aos desafios atuais.

Para finalizar um desafio atual e pertinente (e também criativo, porque não?) sobre a necessidade de reflexão conceptual e prática da nova portaria n.º 275-A. Reflexão e diferentes opiniões sobre a mesma, porque, como tudo na vida há sempre dois (ou mais) olhares sobre as coisas. Uns que contestam, outros que aceitam incondicionalmente.

Cabe, a cada um de nós encontrar o sentido desta medida educativa após um percurso educacional de doze anos de escolaridade. Ainda estou a tentar entender esta medida e o seu sentido e creio não estar sozinha na busca do seu entendimento. Foi referido neste encontro que alguns alunos estão atualmente em casa sem resposta face à atual portaria… “Surge um deserto de respostas após doze anos de escolaridade”, referiu Júlia Serpa Pimentel.

Procuremos neste âmbito e em outros, uma reflexão do que melhor se faz para tornar a educação, toda ela, mais justa e equalitária. Porque foi, aliás, de práticas de inclusão que se falou durante todo o encontro.

Sergio Godinho dizia numa canção“ A liberdade está a passar por aqui”. Sobre esse pensamento com certeza todos teremos também algumas reflexões na conjetura atual, mas foi adaptando aquele pensamento que deixei o repto:

“ A inclusão está a passar por aqui. Ela acontece de facto nas escolas!

Mas deixa rasto ou não? É temporária? Fictícia?

Não podemos deixar de nos interrogar sobre o modo como está a ser entendida esta e outras medidas educativas.

Gostaria de não ter que esperar mais tempo para que, quer a declaração de Salamanca ou a citação que mencionei, faça eco na sociedade.

Acredito que é possível. Por isso mesmo estive presente neste encontro, agradecendo a todos o que o tornaram possível, deixando aqui o meu testemunho.

Posso ainda acrescentar que, algumas famílias e docentes, após o meu comentário final referiram que também eles acreditam que a inclusão existe e é irreversível!

Luis Fernandes (psicomotricista) pegando nestas provocações de metáforas à inclusão também ele lembrou a frase de Bernardo Fachada numa canção que refere “que a liberdade já passou por aqui mas estava mal ensinada … ”

Quanto à inclusão, acreditamos, não está mal ensinada, pelo contrário, ela faz-se em muitas partilhas, como foi este encontro que, ainda nas palavras de Luis Fernandes, constituem uma pedrada no charco.

Pela parte que me toca, atiremos então com mais pedras para o charco!

Elvira Cristina Silva
in: Editorial da newsletter n.º 48 da 2ª quinzena de outubro da Pin-ANDEE
   

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Falando com quem faz


No passado sábado dia 29 de setembro, reiniciou-se o ciclo de sábados “Falando com quem faz”. Organização da Pin- Pró Inclusão: Associação Nacional de Docentes de Educação Especial, com acreditação pelo CCFPC com 0,6 créditos, na modalidade de ação de formação.

A sala programada da Escola Básica S. Vicente em Telheiras, encheu-se de cerca de quatro dezenas de docentes que aderiram à iniciativa. Uma partilha dinamizada por Ana Ferreira com a temática “Medidas Educativas”. A ideia base foi a conceção legislativa na sua aplicação prática.

Poder-se-ia pensar que o conhecimento do atual decreto, (pelo qual se rege a educação especial), já com quatro anos de vida, seria um tema sem muito para se discutir, mas desenganem-se, curiosamente parece ainda não ser consensual. Quer no seu âmbito global, bem como ao nível específico da aplicação das medidas educativas.

Uma situação bastante realçada foi a necessidade de interpretação igualitária por todos os docentes que a aplicam. Em muitos casos impera o bom senso de modo a evitar situações redundantes na aplicação das referidas medidas.

Landivan (1993: 53) refere adequações curriculares como “modificações que são necessárias realizar nos diferentes elementos do currículo para o adequar às diferentes situações, grupos e pessoas para os quais se aplica”. Quer as estratégias, recursos, metodologias e a organização e gestão do espaço nas adequações ao currículo foram também partilhadas com diferentes perspetivas e enquadramentos.

A grande tónica deste momento de partilha foi, sem dúvida, a consciencialização de que sejam quais forem as medidas aplicadas, elas devem ser pensadas SEMPRE de modo ao que melhor se aplica a cada aluno.

Em jeito de síntese pode-se referir que a temática não se esgotou nesta manhã. Ficou já um compromisso de uma segunda parte com análise de casos práticos num próximo ciclo de sábados.

O próximo “Falando com quem faz”, realiza-se sábado dia 20 de outubro, sobre a temática “Modalidades Especificas de Educação: As Unidades”, dinamização a cargo de Leonor Brito.

 

Elvira Cristina Silva

 

terça-feira, 15 de maio de 2012

5Watts de Potência Musical



Watt – Unidade de potência do Sistema Internacional que é equivalente à energia consumida por unidade de tempo ou seja, é igual a um joule por segundo (1 J/s).
A unidade watt recebeu este nome em homenagem a James Watt, pelas suas contribuições para o desenvolvimento do motor a vapor, e foi adoptada pelo segundo congresso da associação britânica para o avanço da ciência em 1889.


5Watts – Unidade de potência do Sistema Nacional de Jazz que equivale à energia despendida por quatro mega músicos por unidade de tempo ou seja, igual a 4MW.
A unidade 5watts recebeu este nome devido à muita energia emanada em palco, contribuindo eficazmente para o desenvolvimento do Jazz-Fusão, Funk, Hip-hop e Soul, tendo sido adoptada pela banda numa das primeiras jam’s em estúdio em 2011.

O 5º Watt… quem é?
O público pois claro, que se espera numeroso e participativo. Venham pois então apanhar umas quantas doses de potência máxima já na próxima…

…4ª Feira 16 de Maio de 2012 pelas 23:00 no Bacalhoeiro, na Rua dos Bacalhoeiros, 125 Lisboa (perto da Casa dos Bicos)…

… e logo a seguir no…

…Sábado 19 de Maio de 2012 pelas 23:30 no Catacumbas Jazz-Bar , Travessa da Água da Flor 43, 1200 Lisboa (Bairro Alto).

Entretanto para quem quiser “ouver” 5Watts não deixe de visitar:


Um abraço dos:

Histórias em 77 palavras

Um sem o outro, não podiam existir. Os dois rapidamente passaram a três. Foram viver para um andar de quatro assoalhadas num quinto andar na cidade. Eram seis de volta da criança, pais, avós paternos e maternos que faziam o diabo a sete para que a vida não fosse um oito incontornável… corrida para o emprego, fazeres rotineiros, tratar da criança… Nove meses passados compraram um lote de dez hectares no campo e foram viver todos juntos!
Elvira Cristina Silva

domingo, 6 de maio de 2012

Histórias em 77 palavras




No seguimento do post anterior decidi responder ao desafio da semana.

E foi esta a história que aqui partilho que foi publicada.


Primeiro surgiram dúvidas segundo as quais me levaram a refletir sobre o assunto, não foram três, nem quatro, mas cinco pessoas que referem pela sexta vez que os meus mails de sete ou oito palavras mostram claramente que não estou bem!
Não sei se eu, ou meus mails devemos consultar um psicólogo… Resumo em nove palavras o que me vai na alma e em dez segundos o faço: De agora em diante não respondo, estou “of line”!

Elvira Cristina Silva

in: http://77palavras.blogspot.pt/2012/05/historias-recebidas-desafio-n-3-2012.html

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Histórias em 77 palavras


Todos os meses, a Margarida Fonseca Santos escreve três histórias para a revista Pais&Filhos: uma para filhos, outra para os pais (avós, tios...) e por fim uma com pais e filhos. A Francisca Torres ilustra.
Para além disso todas as semanas existe um desafio a quem quiser partilhar histórias, claro, em 77 palavaras.
É lá, no blogue criado para o efeito, que desta vez foi publicado um dos meus desafios...

 

 Da vida, a memória trazia-lhe breves rumores ao pensamento. Tinha decidido tirar dela o máximo prazer, tivesse que partir de novo onde tudo venha justamente do nada. Acontecia, agora reconhecer-se como um reinício, sempre obrigando-se a não olhar-se no espelho, não pelas rugas nele espelhadas ao milímetro, consciente que pouco importava o monótono aspeto físico. Guardaria ânimo para recomeçar sem melindres ou lamentos. Sem pressa iria sozinha alcançar a meta pré destinada a rasgar-se do próprio eu.


Elvira Cristina Silva

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Tirar o hífen....


Porque somos todos um e fazemos parte do mesmo puzzle com o desafio individual , do compromisso, do entusiasmo.
A importância das questões pertinentes. Observar a vida e aproveitar o que ele nos traz...porque a vida traz-nos o que precisamos, embora não seja sempre o que desejamos dela. Estarmos na vida e  agir, atuar. Sermos responsáveis pelo que fazemos, pelo que assumimos. A nossa opção de estar no mundo quando derrubamos os muros.
Citando Eduardo Barroso "a saúde é um estado transitório que não augura nada de bom…"daí que há que aproveitar cada momento, aproveitar o que fazemos enquanto estamos no mundo. Aos portugueses, sempre, um pouco incrédulos, pela tradição, acreditando que apesar das contrariedades o mundo pode ser, e é maravilhoso.
Porque somos donos de nós próprios e dos nossos atos, mais altruístas ou perneciosos. Citando Damásio no seu ultimo livro que refere que "consciência é ter a capacidade fantástica de ter uma mente equipada com um dono".
 Porque há uma linha que nos une e que nos separa...
Porque nós não somos "teres-humanos" mas seres humanos...
Porque o que faz a diferença é o entusiasmo...
Porque somos nós que fazemos a diferença
Aconselho-vos a "ganhar tempo" e a perceber o que fazem dele com este pequeno filme:
Um agradecimento especial à Helena Maia por partilhar este video comigo. Por vezes o ânimo chega mesmo quando não estavamos à espera.
EC

5 watts no Bacalhoeiro


Quarta-feira, dia 16 de Maio de 2012 pelas 23:00 os 5 Watts vão atuar no Bacalhoeiro.
Rua dos Bacalhoeiros 125 1º e 2º
 
0s  5 watts, grupo de Jazzz  têm na sua composição:

Guilherme Salgueiro - Teclas
Gustavo Almeida - Baixo
Ariel Rosa - Bateria
Jónatas Marques - Guitarra
 
A atuação no Arte e Manha podem visitar aqui:
 


quarta-feira, 2 de maio de 2012

Elogios ardilosos



Escada de clássicos

                                                         Origem da autoria da foto: desconhecida
(caso o autor se manifeste, será com todo o prazer
que será feita a sua identificação)

segunda-feira, 9 de abril de 2012

"Maria e Eu" de Miguel Gallardo

(Depois do anterior post a tentação foi grande e não resisti à participação no evento bem como à aquisição do referido livro.)

Narrado na primeira pessoa, esta obra a duas cores (preto e vermelho) apresenta uma sequência narrativa, ao estilo de BD, que recorda um tempo de férias passado entre pai e filha num resort.






Miguel, o pai, mora em Barcelona, enquanto Maria, a filha, vive com a mãe em Las palmas, nas Canárias. Maria tem 12 anos e é autista.

A narrativa simples, acompanhada de ilustração, é um relato original que em 2010, serviu de guião a um documentáriocinematográfico com o mesmo nome.

O autor, Miguel Gallardo, conceituado desenhador espanhol, com uma dose de humor, ironia e sinceridade proporciona ao leitor, numa preciosa obra autobiográfica o que é a experiência de vivenciar o autismo.

Maria, ela é única, como qualquer ser humano. Tem as suas peculiaridades, crispa os dentes, olha intensamente para a areia que lhe escorre entre os dedos das mãos, belisca com força os braços daqueles de quem gosta, diverte-se com gestos simples, como os desenhos que o seu pai lhe faz…

Tudo isto sucede sob o olhar dos outros, críticos, inquisidores ou displicentes, as caras, os olhares, sempre os olhares … A antecipação das rotinas, os preparativos para as saídas, as inflexibilidades perante as mudanças… Tudo isto é contado por Miguel Gallardo numa escrita repleta de sinceridade e sentimentos, desde o humor das situações vividas, à ternura que espia na filha e nos outros capazes de a entenderem, à raiva usada pela indiferença dos outros à problemática da Maria.

Mas Maria, como a camisola que veste que diz: “I´M unique Just like everyone else “ é única, única como qualquer um. E é precisamente o que esta obra valoriza, as pequenas vitórias de um universo único, muito especial, onde os sentimentos são expressos de modo espontâneo, cheios de ternura, de forma única e irrepetível.

Uma obra extremamente comovente de discernimento lúcido de quem faz uma viagem diferente neste percurso da vida e que só o bom humor pode permitir a sanidade mental possível, capaz de desvalorizar os olhares admirados dos que não veem ou não querem ver a riqueza da diversidade!
EC

segunda-feira, 2 de abril de 2012

2 de Abril

Peter Reynolds é daqueles autores fantásticos, que na simplicidade do que ilustram sem muito dizerem, deixam a sua marca, alíás o seu lema, basta visitar o seu site ou ler os seus livros para compreender essa premissa.
Essa marca visivel na mensagem que apela ao respeito e à criatividade infantil, sublime no seu livro "Ish" ou em "The dot" (já traduzido para português "O ponto" e editado pela Bruá). Mais do que ligar a convenções apela à necessidade de acender a criatividade em cada um de nós.
Não fosse já bastante para me identificar com essa mensagem e me deliciar, eu que acredito que cada criança é única e que a ela se deve o direito à expressão livre, Peter Reynolds apela à diferença apelando para que o mundo seja melhor evidenciando a riqueza da diferença como ele faz de forma magistral, sem palavras, numa curta metragem com ilustrações de sua autoria e produzida por FableVision para SARRC (Autism Research Sudoeste e Centro de Recursos). O pequeno video evidencia  a solidão de uma criança com espectro do autismo e o impacto de mudança de vida em cada cada um de nós quando as conhecemos e com elas nos relacionamos...Necessário é acreditarmos...
Sendo hoje o dia da conscencialização do autismo e paralelamente o Dia Internacional do Livro Infantil, este post é dois em um... porque, afinal isto anda tudo ligado, nós é que às vezes não lemos nas entrelinhas... 
EC 

I'm Here 

ver também: http://lapiselviracs.blogspot.pt/2012/04/2-de-abril.html

domingo, 1 de abril de 2012

“María e Eu”, uma banda desenhada sobre autismo

Já tínhamos visto o documentário. Agora chega a Portugal o livro de BD com a história de Miguel Gallardo e da filha María

O ilustrador espanhol Miguel Gallardo desenhou a história da filha María, autista, e o seu relacionamento com a sociedade, num livro editado este mês em Portugal e apresentado em Lisboa, segunda-feira, Dia Mundial da Consciencialização do Autismo.







María e Eu
De Miguel Gallardo e María Gallardo
Edições ASA

64 págs, Duas Cores, Capa Dura
Distribuído a 20 de Março
PVP: 15€





“María e Eu”, editado pela Asa, foi publicado em Espanha em 2008, quando María tinha 12 anos. O autor relata uma semana de férias com a filha, descrevendo as características particulares de quem é autista e a forma como os outros olham para ela, precisamente por causa do autismo.
 “Não há quem fale nisto na primeira pessoa e com esta sensibilidade, por isso eu tinha que o publicar. Não é lamechas e tem sentido de humor”, explicou a editora Maria José Pereira à Agência Lusa.
 
O livro valeu a Miguel Gallardo um prémio e duas nomeações na área da banda desenhada, em Espanha, foi adaptado para um documentário (apresentado no ano passado em Lisboa) e pode ser visto como “um relato, um livro de ajuda, um livro de banda desenhada”, disse a editora. “Um manual não convencional para educadores e profissionais que têm que lidar com este tipo de problemas”, referiu.
 
Miguel Gallardo apresenta uma mancha gráfica que usa habitualmente com a filha María, imagens simples e inequívocas que relatam os rituais da filha, manifestações de alegria ou tristeza e alguns dos comportamentos de quem sofre desta síndrome. O autor também desenhou as caras de quem não sabe lidar com María, de quem tem medo do desconhecido, da estranheza. “Gosto de desenhar para ela e que isso seja uma forma de comunicarmos”, escreveu Miguel Gallardo.
 Os direitos das pessoas
“María e Eu” será apresentado na segunda-feira, dia 2 de Abril, na Fundação Calouste Gulbenkian, numa sessão que assinala o Dia Mundial da Consciencialização do Autismo, organizada pela Federação Portuguesa de Autismo. No encontro serão debatidos os direitos das pessoas com autismo, com a presença de vários especialistas na área.
 
A presidente da Federação Portuguesa de Autismo, Isabel Cottinelli Telmo, considera aquele livro mais um instrumento para ajudar a explicar o que significa uma criança ter uma perturbação do desenvolvimento relacionada com o autismo. “É um livro interessante para as crianças mais velhas, talvez do terceiro e quarto ciclos, porque têm mais dificuldade em aceitar as pessoas autistas”.
No encontro em Lisboa, além do lançamento do livro, decorrerão debates com pediatras, pais, técnicos profissionais e representantes das várias associações que integram a Federação Portuguesa de Autismo.


 
Sessão Comemorativa
Os nossos direitos
Fundação Calouste Gulbenkian
Auditório 3Entrada Livre

terça-feira, 27 de março de 2012

Alunos com dificuldades cognitivas no currículo comum têm de «prestar contas pela aprendizagem»


Notícia da TSF

23 /03/12

Alunos com dificuldades cognitivas no currículo comum têm de «prestar contas pela aprendizagem»

Filomena Pereira, responsável pelo serviço de Educação Especial do Ministério da Educação, lembra ainda que cabe à escola definir se um aluno tem capacidade para cumprir o currículo comum ou não

A responsável pelo serviço de Educação Especial do Ministério da Educação entende que os alunos com dificuldades cognitivas que estão frequentam o currículo comum têm de «prestar contas pela aprendizagem desse currículo comum».
«Há metas definidas e metas intermédias durante o ano. Face à presença de provas de aferição ou de exames nacionais há todo um conjunto de adequações e acomodações que podem ser mobilizadas para que os alunos realizem as provas», explicou Filomena Pereira.
Esta responsável do Ministério da Educação, que lembra que as escolas têm autonomia quanto ao currículo que os alunos seguem, acrescenta que estes alunos podem assim «evidenciar aquilo que sabem e as aprendizagens que fizeram e não as suas incapacidades».
Sobre os casos de crianças com trissomia 21, Filomena Pereira diz que cada caso é um caso pois ter-se esta doença «não significa que tenham todas as mesmas necessidades e limitações».
«É evidente que se no âmbito da matemática for exigido raciocínios altamente abstratos isso é uma capacidade que as pessoas com deficiência mental não têm», acrescentou Filomena Pereira, que lembra que cabe à escola definir se um aluno pode ou não cumprir o currículo comum
TSF

Revisão da estrutura curricular do ensino básico e secundário.



A partir do próximo ano letivo, os alunos do 4.º ano vão passar a ter provas finais de ciclo que contarão para a nota, anunciou hoje o ministro da Educação e Ciência durante uma conferência de imprensa para apresentação da proposta definitiva de revisão da estrutura curricular do ensino básico e secundário.

A introdução de exames no final do 1.º ciclo já estava prevista no programa do Governo, mas hoje Nuno Crato anunciou que a medida entrará em vigor já no final do próximo ano letivo. Para os alunos do 6.º ano, conforme já fora anunciado, a novidade será concretizada já em Junho próximo.

Até agora os alunos do 4.º e 6.º ano realizavam no final do ciclo provas de aferição, que não contavam para a nota. Tanto para o 4.º, como para o 6.º, as novas provas começarão por ter um peso de 25% na nota final. No segundo ano de aplicação a ponderação será de 30%, a mesma que está em vigor para o 3.º ciclo e ensino secundário. Nuno Crato indicou que serão apresentadas também medidas concretas para reforçar o apoio ao estudo no 1.º ciclo.

Para o 2.º ciclo já está decidido que, a partir do próximo ano letivo, as escolas terão obrigatoriamente de ter cinco horas semanais de apoio ao estudo. Os alunos que o irão frequentar serão escolhidos pelo Conselho de Turma. Esta é uma das alterações na estrutura curricular ainda em vigor.

A proposta do ministério foi apresentada no princípio de Janeiro e esteve em consulta pública até ao final daquele mês. Foram recebidos mais de 1600 contributos, indicou Crato. O Ministério da Educação e Ciência manteve a sua intenção de não incluir Formação Cívica como disciplina autónoma, mas na nova estrutura curricular será oferecido mais um tempo que pode ser utilizado pela escola para manter aquela disciplina. Muitos diretores e professores tinham defendido a sua existência, lembrando que esta disciplina, que atualmente ocupa 45 minutos, é utilizada pelos diretores de turma para resolver os problemas e conflitos com alunos.

Em relação à proposta de Janeiro, a definitiva, que foi hoje apresentada, tem ainda outras alterações. A disciplina de Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), que atualmente integra o currículo do 9.º ano, não será antecipada, como anunciado antes, para o 2.º ciclo, passando antes a ser lecionada no 7.º e 8.º ano. No próximo ano, para garantir a transição, os alunos do 9.º ainda terão TIC.

ET em oferta de escola

Por outro lado, a disciplina de Educação Tecnológica (ET) desaparece do currículo nacional do 3.º ciclo, embora no 7.º e 8º ano possa ser mantida em oferta de escola. A decisão dependerá dos diretores.

Estão atribuídos dois tempos de 45 minutos que serão distribuídos por TIC e pela oferta de escola. Ao contrário do previsto na proposta inicial, no 2.º ciclo a disciplina de ET terá estes dois tempos em exclusivo.

Também ao contrário do proposto inicialmente, irá manter-se a atividade experimental na disciplina de Ciências da Natureza. Já no que respeita ao ensino secundário, o ministério irá manter duas opções disciplinares no 12.º ano. Inicialmente pretendia reduzir as opções para uma. No 12.º ano será também reforçada a carga horária de Português, que passará a ter mais 45 minutos semanais. Esta medida não estava prevista na proposta inicial.

Confirma-se as principais medidas anunciadas em Janeiro: na escolha de línguas estrangeiras, o inglês passará a ser obrigatório; a carga horária das disciplinas de História, geografia, Ciências Naturais e Físico-Química será reforçada no 3º ciclo., Manter-se-á o reforço já em vigor das cargas horárias de Língua Portuguesa e de Matemática no 2.º e 3.º ciclo e de Física e Química e Biologia e Geologia no ensino secundário.

No 2.º ciclo a atual disciplina de Educação Visual e Tecnológica será divida em duas áreas disciplinares, cada uma com o seu programa e com um só professor. Nuno Crato confirmou também que será dada liberdade às escolas para decidirem qual o tempo de duração das aulas.




Atualmente é obrigatório terem uma duração de 45 ou de 90 minutos. As escolas poderão agora decidir se querem aulas de 45, 50 ou 60 minutos ou outra unidade, desde que garantam o tempo mínimo por disciplina e máximo por carga curricular, definido pelo ministério. No âmbito do reforço da autonomia das escolas, estas poderão também organizar as turmas de modo a “prover a homogeneidade das aprendizagens”, indicou Crato. O que poderá ser feito através da constituição de grupos diferentes de alunos, de modo a permitir um maior apoio aos que têm mais dificuldades e que os alunos com sucesso possam progredir, esclareceu o ministro. Esta organização em grupos será sempre “temporária” e não presidirá à formação de turmas, acrescentou.





Leituras

Leituras
Os livros que se seguem apresentam as minhas opiniões sobre os mesmos. Exclusivamente o meu "ponto de vista". EC

Para além do óbvio- Histórias sociais

Para além do óbvio- Histórias sociais
Clicar na imagem para ler o post

Autismo

Autismo
clicar na imagem para ler o post

30 anos, 30 pessoas, 30 histórias

30 anos, 30 pessoas, 30 histórias
clicar na imagem para ler o post

Índice médio de felicidade

Índice médio de felicidade
clicar na imagem para ler o post

Eu até sei voar

Eu até sei voar
clicar na imagem para ler o post

Mágoas da Escola

Mágoas da Escola
clicar na imagem para ler o post

CINCO PAIS NATAIS E TUDO O MAIS

CINCO PAIS NATAIS E TUDO O MAIS
clicar na imagem para ler o post

Deixa-me entrar

Deixa-me entrar
clicar na imagem para o post

Caderno de Tóquio

Caderno de Tóquio
clicar na imagem para ler o post

Le goût des glaces

Le goût des glaces
clicar na imagem para ler o post

Não os desiludas - histórias da escola

Não os desiludas - histórias da escola
clicar na imagem para ler o post

Eu quero Amar, Amar perdidamente

Eu quero Amar, Amar perdidamente
clicar na imagem para ler o post

A ferramenta que faz os contos

A ferramenta que faz os contos
Clicar na imagem para ler o post

A arte de ensinar

A arte de ensinar
clicar na imagem para ler o post

O Futuro da Escola Pública

O Futuro da Escola Pública
clicar na imagem para ler o post

A inclusão nas escolas

A inclusão nas escolas
clicar na imagem para ler o post

Crianças em Risco VOL 4

Crianças em Risco VOL 4
clicar na imagem para ler o post

A vida na porta do frigorífico

A vida na porta do frigorífico
clicar na imagem para ler o post

O mundo segundo BOB

O mundo segundo BOB
clicar na imagem para ler o post

A Saga de um Pensador - O Futuro da Humanidade

A Saga de um Pensador - O Futuro da Humanidade
clicar na imagem para ler o post

A intuição leitora, a intuição narrativa

A intuição leitora, a intuição narrativa
clicar na imagem para ler o post

Tu tens direito

Tu tens direito
clicar na imagem para ler o post

Políticas educativas em Portugal

Políticas educativas em Portugal
Clicar na imagem para ler o post

Mafaldisses - crónica sobre rodas...

Mafaldisses - crónica sobre rodas...
clicra na imagem para ler o post

Todas as cores do vento

Todas as cores do vento
clicar na imagem para ler o post

Prisioneiro em mim

Prisioneiro em mim
clicar na imagem para ler o post

Crónicas do avó Chico

Crónicas do avó Chico
cliacar na imagem para ler o post

PSICOMOTRICIDADE – Jogos facilitadores de aprendizagem

PSICOMOTRICIDADE – Jogos facilitadores de aprendizagem
Clicar na imagem para ler o post

Fala Comigo

Fala Comigo
clicar na imagem para ler o post

Sara, A Luz

Sara, A Luz
clicar na imagem para ler o post

Indisciplina Na Escola

Indisciplina Na Escola
clicar na imagem para ler o post

O quarto de Jack

O quarto de Jack
clicar na imagem para ler o post

A Magia das chaves

A Magia das chaves
clicar na imagem para ler o post

Gaudi, um romance

Gaudi, um romance
clicar na imagem para ler o post

o ladrão de Sombras

o ladrão de Sombras
clicar na imagem para ler o post

Partes de mim

Partes de mim
clicar na imagem para ler o post

História de uma esquizofrenia - Jérémy, sua família, a sociedade

História de uma esquizofrenia - Jérémy, sua família, a sociedade
clicar na imagem para ler o post

Maria e Eu

Maria e Eu
clicar na imagem para ler o post

Agarrem-me ou dou cabo desses palhacitos!

Agarrem-me ou dou cabo desses palhacitos!
clicar no post para ler a imagem

Rafeiro Perfumado: "Are you ladrating to me?!?"

Rafeiro Perfumado: "Are you ladrating to me?!?"
Clicar na imagem para ler o post

"Rafeiro Perfumado: a minha vida dava um blog"

"Rafeiro Perfumado: a minha vida dava um blog"
Clicar na imagem para ler o post

O menino de Cabul

O menino de Cabul
clicar na imagem para ler o post

A Educação na Finlândia: Os segredos de um sucesso

A Educação na Finlândia: Os segredos de um sucesso
Clicar na imagem para ler o post

"Aproveitem a vida"

"Aproveitem a vida"
Clicar na imagem para ler o post

"Olha-me nos Olhos"

"Olha-me nos Olhos"
Clicar na imagem para ler o post

"Einstein nunca amou"

"Einstein nunca amou"
Clicar para ler o post

"Mais alto do que as palavras"

"Mais alto do que as palavras"
Clicar para ler o post

Temos de falar sobre o Kevin

Temos de falar sobre o Kevin
clicar na imagem para ler o post

Os Mistérios do Sono

Os Mistérios do Sono
Clicar na imagem para ler o post

Quem mexeu no meu queijo

Quem mexeu no meu queijo
Clicar na imagem para ler o post

Aprender Juntos para Aprender Melhor

Aprender Juntos para Aprender Melhor
clicar na imagem para ler o post

A criança que não queria falar

A criança que não queria falar
clicar na imagem para ler o post

Domesticar a hiperactividade e o défice de atenção

Domesticar a hiperactividade e o défice de atenção
clicar na imagem para ler o post

Síndroma de Down: Leitura e Escrita

Síndroma de Down: Leitura e Escrita
clicar para ler o post

Inclusão - Um guia para Educadores e Professores

Inclusão - Um guia para Educadores e Professores
clicar na imagem para ler o post

O jardim de infância e a família

O jardim de infância e a família
clicar para ler o post

Organização da componente de Apoio à Familia

Organização da componente de Apoio à Familia
clicar na imagem para ler o post

Contributos para o estudo das práticas de Intervenção Precoce em Portugal

Contributos para o estudo das práticas de Intervenção Precoce em Portugal
clicar na imagem para ler o post

O segredo das crianças felizes

O segredo das crianças felizes
Clicar na imagem para ler o post

Crianças (e pais) em risco

Crianças (e pais) em risco
Clicar para ler o post

Comportamentos e estratégias de actuação na sala de aula

Comportamentos e estratégias de actuação na sala de aula
clicar para ler o post

Educar com os pais

Educar com os pais
clicar na imagem para ler o post

A Criança e o Medo de Aprender

A Criança e o Medo de Aprender
clicar na imagem para ler o post

Hiperatividade Eficaz

Hiperatividade Eficaz
clicar na imagem para ler o post

A criança e o psicólogo

A criança e o psicólogo
clicar na imagem para ler o post

A matemática no pré escolar

A matemática no pré escolar
clicar para ler o post

A experiência motora no meio aquático

A experiência motora no meio aquático
clicar na imagem para ler o post

Problemas de alimentação na criança

Problemas de alimentação na criança
clicar na imagem para ler o post

A Intervencão Precoce e a criança com Síndrome de Down

A Intervencão Precoce e a criança com Síndrome de Down
clicar na imagem para ler o post

Educar, promover, emancipar - os contributos de Paulo Freire e Rui Grácio para uma Pedagogia Emanci

Educar, promover, emancipar - os contributos de Paulo Freire e Rui Grácio para uma Pedagogia Emanci
clicar na imagem para ler o post

Da investigação às práticas

Da investigação às práticas
clicar na imagem para ler o post

Valores Educativos, Cooperação e Inclusão autor: Ramos Leitão(Salamanca 2010)

Ouvindo o silêncio

O estranho caso do cão morto

Mal entendidos